Doctor Who voltou e as Teorias também!

By Alana Campanha - janeiro 17, 2020


Poucas pessoas estavam felizes com a temporada 11. A primeira temporada de um Doutor novo é sempre mais morna que as outras, entretanto a falta de um arco foi a cruz da 11º. Mas diferente do que disse, Chibnall, que para quem não sabe, é o showrunner da nossa era, deve sim ter lido os comentários tudo o que havia de errado e chegou com os dois pés na porta no episódio duplo que abriu a 12º temporada.

Digo de ter lido comentários por muita coisa já ter sido consertada: a falta de um arco, o apagamento de Yas, a falta de autoridade da Doutora, não tocar no nome de Gallifrey ou Time Lord etc. Agora que a nova temporada foi iniciada, Chibnall não só resolveu esses problemas, como entrega episódios frenéticos e chocantes.

A trama de espionagem, verdades e mentiras é cheia de ação, mas o que impressiona mesmo é o tratamento dado aos companions, principalmente a Yas e Ryan, cuja interação é bem mais natural. As entidades interdimensionais que matam espiões ao redor do globo e em "diferentes Terras" é  tipo de premissa que te deixa ansioso por respostas. E se essa temporada tem uma coisa, é a busca insana por respostas por parte dos fãs, pois o final do episódio duplo não só apresenta uma revelação bombástica, como apresenta um mistério que vai durar o resto da temporada ou quem sabe, até ao final da era Whittaker.



A partir de agora, este texto vai conter SPOILERS

No final de Spyfall Part I é revelado que o colega da Doutora, O, o simpático agente com quem ela trocava mensagens de Whatsapp, é na verdade o Mestre, seu best enemy. Parecendo mais com uma versão ora mais contida, ora com mais explosões de raiva de Simms, com uma obsessão pela Doutora que sobreviveu Missy, Mestre parece mais cruel do que antes. Preciso dizer que a reação da Doutora é muito boa, o choque estampado num quase terror, bem diferente da maneira hilária com ela viu um Dalek, que foi tanto criticada. O que é melhor do que é isso é que Chibnall contou que não lia reviews, e mesmo assim, os erros apontados na temporada foram corrigidos. Bem interessante, não acham?

E o legal da temporada 12, é que finalmente podemos voltar a fazer o que adoramos: teorizar. A Timeless Child pegou todo mundo de surpresa, pois ela foi citada na temp. 11 e esquecida no churrasco; agora, voltou com força e será a força motriz do arco que perpassara toda a era Whitaker. Em Spyfall Part II, Mestre revela que destruiu Gallifrey porque descobriu algo que os Time Lordes esconderam deles e no centro deste segredo está a Timeless Child. A questão que fica é: qual segredo seria esse que deixaria o Mestre tão chocado a ponto de destruir Gallifrey? Quem é a Timeless Child? Qual a relação da Doutora e do Mestre nesse segredo? O que não é segredo é que muitas teorias surgiram a partir disso.



Na mitologia de Doctor Who, a sociedade dos Time Lords foi originada a partir de três pessoas: Rassilon, Ômega e The Other, esta última, a identidade nunca foi revelada. Nesta origem surgiu a viagem no tempo e o conceito de regenerações. Nas teorias, discutem-se que The Other pode ser a Timeless Child, uma criança de outro planeta com dons divinos de imortalidade, assim, foi a partir dela que Rassilon e Ômega "criaram" as regenerações; desse modo, por todo esse tempo, não foram os Time Lords que conseguiram criar os ciclos regenerativos, isso foi um dom roubado de uma criança em cativeiro. 

Essa teoria é bem famosa, no entanto, não há nenhum aparente para o Mestre ficar chateado com isso. Para alguém que tortura e mata milhões de pessoas, uma criança sofrendo não seria grande coisa. Outra teoria sugere que a Timeless Child é na verdade a Doutora, uma encarnação escondida antes do primeiro Doutor, uma espécie de Doutor zero. Nessa encarnação, a Doutora seria a criança capturada cujos dons seriam a origem da regeneração também. Entretanto, o mesmo problema aparece aqui, pois não há motivo do Mestre abalado por causa disso. Talvez se forçar, dá pra fazer a narrativa de que ele não aceita que todos os Time Lords, inclusive ele, tem uma parte do Doutor dentro si. Ou talvez ele simplesmente não goste da ideia de outra pessoa fazendo isso com o Doutor. Em The Trial of a Time Lord, quando o Doutor estava em julgamento, o Mestre surgiu como seu advogado. Mesmo assim, não parece muito convincente que Gallifrey seria destruída por causa disso.

Outra teoria interessante é que os Time Lords tem regenerações infinitas e que só são limitadas para o controle dos Time Lords. Poderia ser frustrante para o Mestre descobrir isso após passar tanto sufoco para encontrar corpos e ciclos novos. 

Há também a teoria de que lá no início, Rassilon, Ômega e the Other não só roubaram regenerações, como o conhecimento das viagens do tempo. Ou seja, nesta versão, o fato dos Time Lords serem o primeiro povo que criou a viagem no tempo seria uma mentira. O conhecimento ou habilidade podem ter sido retirados da Timeless Child ou até de outro povo nativo de Gallifrey; aí, os Time Lords não só teriam roubado as viagens no tempo e regeneração, como o planeta também. É isso o que vai acontecer? Provavelmente não, mas é divertido imaginar. 

Outra coisa que provavelmente não vai acontecer é a Doutora e o Mestre serem irmãos, que seria no mínimo esquisito depois dos flertes e beijos. Ou seria a Timeless Child filha deles, tal como na DC comics Connor é filho de Lex Luthor e Clark? Bem, com a filha do Doutor ainda esquecida pela série, não é como se resolvessem dar outra para ele. E por mais que admira todos que teorizam por cima da Jenny e Susam, não posso fingir que eu acho que isso vai acontecer. Já se foram personagens misteriosas demais que todos queriam que fossem a Susan e não foi pra ter sobrado alguma esperança. 

De qualquer maneira, é perigoso mudar qualquer coisa em relação às origens da série, pois se o retcon for for ruim, o histórico de Chibnall em temporadas passadas ajudará a piorar a situação. Ou, num melhor caso, os fãs vão simplesmente ignorar o retcon, assim ignoram o Doutor fugindo de Gallifrey por ter medo em Hell Bent, já que foi um retcon que foi contra a premissa da série como um todo. Mas Moffat já tinha um ótimo legado em Doctor Who, assim, apesar das críticas de Hell Bent, ele se manteve como um escritor elogiado. Chibnall ainda não tem isso, o que torna qualquer mudança muito drástica na mitologia da série perigosa. Entretanto, se der certo, pode revolucionar a narrativa pelos próximos muitos anos.







  • Share:

You Might Also Like

0 comentários