Cap. 2 - Carregando o bebê Cullen

by - 12:15


ATENÇÃO! ESSE POST É UMA CONTINUAÇÃO. SE CHEGOU AQUI POR ENGANO, TE ACONSELHO A LER O PRIMEIRO CAPÍTULO ANTES. 

Foi um mal súbito. Jacob quase enlouqueceu, quando do nada eu fui ficando cada vez pior. Não só passava mal todo dia, como também sentia sono toda manhã, me sentia zonza, e estava num mau humor insuportável.

Preocupado, Jake insistiu bastante comigo, até que finalmente cedi e liguei para Carlisle. Disse que estava doente e que precisava ver ele.

Lembro-me de que quando os anciãos se reuniram com os lobos para decidir se Carlisle podia ou não entrar aqui, eu surtei com eles. Qual era o problema daquele bando de velhotes? E se eu dissesse que eles não podiam mais ver a família deles? Era fácil para eles se reunirem ali no meio do mato, e falar da minha família como se eles não fossem nada, como se fossem monstros sedentos de sangue. Jacob ficou assustado com a minha reação e com a escolha de palavras que fiz. Disse que eu estava entendendo tudo errado e que eles estavam pensando na tribo. Mas e daí, eu nem era considerada um membro daquela tribo idiota mesmo.

Estava odiando com toda minha alma cada um daqueles malditos. Até mesmo o Jacob estava me irritando.

Antes de ouvir se eles permitiriam ou não que Carlisle fosse me ver, eu fui embora dali, afirmando que aquele circo era a coisa mais ridícula que eu havia visto na minha vida. Também disse para eles enfiarem as lendas estúpidas deles bem naquele lugar. Eles diziam que não estavam pensando apenas em si próprios, e sim em todos os quileutes; na tribo toda. Sei, sei. Como se eu fosse acreditar naqueles humanos estúpidos.

Jacob me seguiu, e estava possesso.

Nada do que eu fazia tinha sentido para ele. ou, nas palavras dele: eu não era assim. Ele atribuiu meu comportamento à doença que ele achava que eu tinha. E, já que eu não queria ouvir a resposta dos anciãos, ele decidiu ir comigo até a casa dos Cullen, onde Carlisle me esperava aflito.

Até mesmo ele estranhou meu comportamento. Estava agressiva, impaciente, sem papas na língua.

Examinou-me da cabeça aos pés e descobriu o motivo da bagunça nos sentimentos.

– Parabéns, Nessie. Você vai ser mamãe.

Na hora, eu não entendi muito bem, mas não fiquei nenhum pouco feliz. Jacob, por sua vez, ficou radiante. Abraçou-me e beijou várias vezes.

– Vamos ser pais! – Exclamou. – Não é maravilhoso?

– É, sim. – Concordei, porque sabia que era isso que ele esperava. 

é claro que ele não acreditou em mim.

– Me desculpe, Jake. É que eu me sinto péssima mesmo.

– Tudo bem. – Ele disse e beijou-me na testa. – Carlisle disse que as mudanças hormonais parecem ser mais rápidas no seu corpo, e que isso vai mexer muito com seu físico e com seu psicológico. Mas vou cuidar de vocês. – Ele afirmou, acariciando minha barriga plana.

– É só tomar esses remédios. – Carlisle disse, e me deu vários comprimidos. – São vitaminas e remédios para os enjoos. Ácido Fólico, Sulfato Ferroso, essas coisas. E, claro, teremos que fazer um pré-natal diferenciado. - Acrescentou com um sorriso imenso.

Nessa hora, vovó Esme entrou na sala, sorrindo.

– Seus tios e seus pais vão adorar saber que teremos um bebê na família.

Senti uma pontinha de inveja por isso. Teremos um bebê na família. Mas e eu? Eu não era o bebê Cullen?

Saí da sala, e fui até o antigo quarto dos meus pais. Naquela noite, eu chorei como uma louca.

Em apenas algumas horas, eu deixei de ser Renesmee Cullen para me tornar apenas uma barriga, apenas a garota que carregava o bebê da casa.

Capítulo anterior

You May Also Like

0 comentários